24 juin, 2009

Triste Aguinis…

A propósito, tampoco debemos olvidar que la izquierda originaria fue la que más luchó contra el antisemitismo en el siglo XIX y comienzos del XX. Pero después se tornó antisemita, con el recurso de otras palabras y nuevas excusas. También se ha convertido en cómplice de regímenes ultrareaccionarios, donde se oprime a la mujer, se fusila a los homosexuales y las decisiones son tomadas, en última instancia, por un ayatollah. Seguro que Marx debe sufrir convulsiones en su tumba.

Marx, o autor de A Questão Judaíca, deve estar muito satisfeito com o anti-semitismo inerente (e eu faço questão de destacar o inerente) à esquerda. Eu teria dificuldade em imaginar um intelectual anti-semita do século XIX que não tenha sido influenciado pela Revolução Francesa e, portanto, não fosse um esquerdoso. Dostoievsky era um eslavófilo, e portanto foi influenciado pela filosofia de Hegel (se conhecia Hegel e sua obra é uma outra questão), de onde veio o pan-eslavismo. Carlyle foi um dos maiores fãs de Napoleão – e, se nem todo esquerdista é fã de Napoleão, todo fã de Napoleão é um esquerdista. Quanto aos direitos de gays e mulheres, Marx, que explorou todas as mulheres da família (e rompeu com a própria mãe porque ela não quis sustentar o « marxmanjo ») e era racista a ponto de pregar o genocídio de povos inferiores, provavelmente daria de ombros. Os esquerdosos não ligam para os gays de Cuba, por que ligariam para os gays do Irã?

Aguinis é um escritor muito talentoso que, infelizmente, julga a esquerda por sua retórica e acredita em socialismo civilizado, honesto e democrático. Triste Aguinis. Triste. Eu já o admirei muito. Acho que ainda admiro. Acredito que logo ele terá um artigo melhor.

19 juin, 2009

Aborto é pior que olavetes, libertários e conservadores. E é pior que tarados também.

Já me chamaram olavete. Eu acho que o Olavão diz coisa que preste de vez em quando, e os esquerdosos nunca dizem nada que preste. Se isso é ser olavete…

Já me chamaram de libertário. Vale o que eu disse sobre os olavetes.

Então, eu talvez pudesse ser um “conservador”, não (se é que eu preciso de uma ideologia para viver)? Talvez. Mas eu espero que um conservador não tenha que concordar com isso:

Protecting 30 Bizarre “Sexual Orientations” And “Gender Identity” — Ever-Expanding Definitions

April 17, 2009 – The main purpose of this “hate crime” legislation is to add the categories of “sexual orientation” and “gender identity,” “either actual or perceived,” as new classes of individuals receiving special protection by federal law. Sexual orientation includes heterosexuality, homosexuality, and bisexuality on an ever-expanding continuum. Will Congress also protect these sexual orientations-zoophiles, pedophiles or polygamists?

Essa é uma daquelas polêmicas em que todos os envolvidos (os que têm poder, pelo menos) estão errados. Um lado quer proteger com recursos do Estado o que o outro quer reprimir com recursos do Estado.

Nesse caso, conservadores e esquerdosos estão errados e os libertários estão certos. Mas, alas, quando os libertários acertam uma, podem ter certeza: a maioria ficará contra os libertários.

Segue a lista:

Among those sexual orientations are:

* Fronteurism — which involves a man approaching an unknown woman and rubbing up against her buttocks. This is criminal behavior.
* Incest — which is a crime (sex with a daughter or son).
* Necrophilia — a crime (sex with a corpse).
* Pedophilia — a crime (sex with an underage child).
* Prostitution — a crime in most states.
* Zoophilia — (beastiality) which is a crime in numerous states.
* Voyeurism — which is a criminal offense in most states.

Non-criminal sexual orientations include such behaviors as:

* Autogeynephilia — the perception of a man as being a woman;
* Apotemnophilia — sexual arousal from the stumps of an amputee;
* Coprophilia — sexual arousal from feces;
* Urophilia — sexual arousal from urine
* Transvestic Fetishism — intense sexually-arousing fantasies, sexual urges, and behaviors involving cross-dressing.

Talvez o único crime para uma pessoa normal seja pedofilia. E mesmo esse, talvez dependa muito de condições sociais e culturais. (A Virgem teve Jesus com 14 anos…).

De qualquer forma, o aborto é pior do que todos os “crimes” da lista. Eu sempre fico pasmo com a maneira americana de viver o sexo e principalmente como os americanos acham que a justiça deve tratar o sexo. Um país que permite o aborto e proíbe prostituição!

É um caso de hipocrisia ou esquizofrenia? Ou as duas coisas?

Para terminar, parece que “Fronteurism” é o que chamamos por aqui de “mão boba”. Isso é crime? Bem, é um motivo para dar uma surra no moleque (porque quem faz isso é moleque, e há moleques de todas as idades), mas… mandá-lo para a cadeia?

Na cadeia, provavelmente, acontecerá coisa muito pior do que “Fronteurism” com o moleque, e eu não acho que a pena deva ser pior que o crime.

12 juin, 2009

Aborto é pior que Ann Coulter

Classé dans : Aborto é pior — jorgenobre @ 22:46

O Mídia sem Máscara não publica mais Thomas Sowell, embora mantenha o lugar reservado. Agora, é Ann Coulter.

Tudo bem. Contra o aborto, vale. E esse nem é um dos piores artigos dela.

O tradutor é o já citado Júlio Sévero.

11 juin, 2009

À Tribord, l’Espoir !

Classé dans : Le moins imparfait de tous les mondes imparfaits — jorgenobre @ 0:51

Alvaro Vargas Llosa comenta, com destaque meu: 

Agravando um ambiente socioeconômico sombrio, a brutal recessão já incutiu mais medo entre os europeus do que em qualquer outra ocasião desde dos piores dias da Guerra Fria.

Apesar de suas falhas e excessos, Angela Merkel, Nicolas Sarkozy e Silvio Berlusconi são vistos como melhor gerentes do sistema de livre iniciativa do que seus colegas. O eleitorado tem muito mais medo dos líderes esquerdistas e de seus partidos, que parecem estar questionando o modelo de livre mercado e procurando por um substituto.

Essa atitude dos europeus, numa época na qual seus governos estão aplicando tratamentos com estímulos fiscais e monetários à economia moribunda, poderia parecer contraditória. Afinal, a Europa, na qual o Estado já se comprometeu com US$ 2,5 trilhões para a ajuda aos bancos, cerca de três vezes mais que o pacote aprovado pelo Congresso dos EUA no ano passado, é a mesma onde o número de governos de direita já ultrapassa o de esquerda. Mas os europeus parecem estar dizendo: se vamos ter socialismo, preferimos que ele seja aplicado por líderes que não têm muita fé nele e, no fundo, não estão pretendendo reverter o sistema.

Contente, moi? Sim e não. Aliviado, um pouco. É triste, mas a política é a arte do possível (o maior defeito, grave, dos libertários é não saberem disso) e o possível é impedir mais socialismo do que já temos, nesse triste mundo globalizado.

Guy Sorman também tem umas poucas e boas para dizer:

Sinistres médias de masse

L’étonnement des journalistes des télévisions françaises face à un résultat européen si prévisible , m’étonne , à peine . Il est évident qu’en temps de crise , les nations se tournent vers les mouvements susceptibles de créer des richesses plutôt que vers les mouvements capables, avant tout , de les distribuer. Là , il n’ y a rien à distribuer et tout à recréer. 

La myopie et paralysie dans l’interprétation de nos médias people tiennent  pour beaucoup au « sinistrisme » de ce microcosme : sinistrisme était une expression de Raymond Aron qui valait déja en son temps , pour s’inquiéter d’une gauche sinistre.

9 juin, 2009

Pesos e Medidas

O David escreveria isso de um partido comunista? Não.

7 juin, 2009

Natureza

Para dar conta dos esquerdistas, os neocons bastam. Para dar conta dos neocons, os libertários bastam.

E para dar conta dos libertários é só deixá-los falar. Desses, a natureza cuida, como dizem no futebol.

5 juin, 2009

Subdesenvolvimento mental e emocional

Classé dans : Ê, povinho b... profunda!,Y asi pasan los dias... — jorgenobre @ 23:29

Uma das coisas que mais tipicamente brasileiras é a mania de transformar qualquer discussão em um fla-flu virtual: quem está do meu lado presta, quem está contra mim e o que penso não presta. Toda a esquerda é assim. A direita era mais civilizada no tempo do Paulo Francis e do Roberto Campos, mas agora anda quase tão ruim quanto a esquerda. (Quase, apenas, porque igual impossível, nada é igual ou pior que os esquerdistas. No mundo inteiro. E as únicas coisas boas nos esquerdistas brasileiros são a burrice e a preguiça, graças a isso eles se contentam com um carguinho público e deixam a revolução para os jovens).

Se fosse só em questões políticas, esse comportamento dos brasileiros seria aceitável. Afinal, política só ocupa 5 ou 6% do meu tempo. Mas não! Em qualquer assunto, os brasileiros têm necessidade de encontrar gente que concorda com eles.

Como aqui os bois têm nome, e como também é bom esclarecer antes que um fulaninho perdido por aí resolva vestir a carapuça, eu falo desse post de uma certa Cláudia Croitor (espero que seja um nick ou um erro de digitação, Deus me livre alguém com um nome desses!). Eu discordo de quase tudo o que a Claudia diz sobre House, a série, mas ela tem umas sacadas interessantes. Mas a maioria dos fãs da série discorda de Cláudia, e acham que têm obrigação de ir até o blog dela tirar satisfações. Dá vontade de ir lá e dizer aqueles imbecis: para com isso, mané, é só uma série de televisão! É boa, no seu gênero, é muito bem feita? É. Continua sendo só uma série de televisão! Mas se eu for fazer isso, ah se os crétinos não vão querer criar caso comigo!

Esse defeito dos brasileiros, eu penso, é sintoma de uma grande carência (ao contrário do que dizem os patriotas, nós somos um povo com muito pouco carinho pelos outros, sempre com medo de alguma encrenca que pode acontecer por se envolver demais) combinada com uma enorme insegurança intelectual: precisamos de alguém para nos dizer « você tem razão ». Há quem acredite que podemos superar nosso subdesenvolvimento material sem superar nosso subdesenvolvimento mental e emocional. Eu duvido.

2 juin, 2009

Qu’est que la droite brésilienne a fait?

1

As tolices de Paul Krugman foram detonadas por William Anderson.

Não me espanta o Diário do Comércio publicar Paul Krugman. O que me espanta é o Diário do Comércio publicar Paul Krugman e ser considerado um jornal de direita.

________

2 

Ainda William Anderson, e o intervencionismo americano para salvar as fábricas de carros:

As Ludwig von Mises pointed out many years ago, capitalism is a system of economic and social organization in which consumers, through their choices, direct the scope and methods of production. Perhaps it is ironic that the political philosophy of most official « consumer advocates » is socialism or strong interventionism, as socialism is based not upon what consumers might want, but rather what government and « workers » decide is « best » for them.

For many years, consumers have had some semblance of choice when it comes to purchasing automobiles, and they have spoken loudly in the cases of GM and Chrysler. In fact, they spoke volumes about Chrysler three decades ago, but the government intervened and bailed out a company that unsuccessfully tried to foist junk on consumers and was facing the cold water of financial discipline.

Consumers are speaking again, but instead of just bailing out Chrysler (again), the government now has decided that an all-out assault on the entire auto industry and consumer choice is in our future. This time, however, the government and its UAW partner will not give consumers those opportunities to deviate from their government-chosen paths that they once had.

(…)

While we are driving expensive and dangerously-cramped automobiles, experiencing bad medical care, eating bad food, or being browbeaten by government agents to change our attitudes about religion, economic theory, or anything else the government targets, the Greek Chorus will tell us that « we never had it so good. » We may be 25 years past 1984, but in the end, it seems that « Big Brother » really is going to be triumphant after all.

Mas as bolsas subiram, o que deve bastar para certos liberais que conheço… (Ao menos nesse caso o Diário do Comércio publicou algo que preste).

UPDATE

A respeito dessa nota do Sardenberg: ele não diz que é contra a « ajuda » (na prática, estatização não oficial) de Obama à GM – e nem eu disse que o Sardenberg ou quaisquer um dos linkados são a favor. O que eu critiquei é a mania de liberais de não defenderem a liberdade, e sim os negócios que nem são deles. Se fossem corretores da bolsa ou banqueiros, eu poderia entender. Mas eles não estão recebendo o dinheiro que o Meirelles paga aos bancos. Eles estão dando o dinheiro que o Meirelles usa para pagar os bancos. E eu não vejo motivo para festejar isso.

SAINT DENIS D'AVENIR |
Erratum |
Pascal-Eric LALMY |
Unblog.fr | Créer un blog | Annuaire | Signaler un abus | Association pour une Meille...
| NON A GILBERT ANNETTE
| Nantes Démocrate 2008